IV Simpósio sobre Dislexia lota as dependências do Teatro Zulmira

0
43

Abertura do evento contou com a presença da renomada especialista em neurologia infantil Newra Rotta

Psicologia do amor. A melhor e mais importante forma de tratar a pessoa acometida pela dislexia. A recomendação é dada por especialistas que abordaram o assunto na noite de quinta-feira (23), durante o IV Simpósio sobre Dislexia – Um Desafio Para a Educação –, coordenado este ano pelos deputados estaduais Silvio Fávero (PSL) e Wilson Santos (PSDB).

O evento, que lotou as dependências do Teatro Zulmira Canavarros, na Assembleia Legislativa, começou ontem e segue até final desta sexta-feira (24). O intuito do encontro é levar às pessoas e, principalmente, aos profissionais da educação de Mato Grosso, conhecimento sobre a temática dislexia, aprendizagem e demais quadros relacionados.

Newra Rotta, graduada em medicina pela UFRGS, especializada em neurologia infantil e autora de diversas obras voltadas à Ciência da Saúde, veio direto de Porto Alegre (RS), para ministrar a palestra “Cérebro e a Dislexia”. O encontro possibilitou trocas de experiências. Segundo a especialista, é possível mudar o funcionamento cerebral de uma criança disléxica a partir de estimulações adequadas.

“A dislexia precisa ser bem entendida, diagnosticada precocemente, tratada com muita eficiência e vim para mostrar tudo isso. Mas, é importante deixar claro que o amor é e sempre será o melhor tratamento”, destacou Newra, autora do livro Transtornos da Aprendizagem.

Para o deputado estadual Silvio Fávero, um dos coordenadores do IV Simpósio, a capacitação de profissionais da educação é muito importante para o acolhimento e desenvolvimento da pessoa com dislexia. Ele defende e se coloca à disposição dos envolvidos com o assunto, para debater e criar políticas públicas que favoreçam o disléxicos e, ao mesmo tempo, capacitem e ofereçam estrutura aos profissionais da educação para realizar o acolhimento necessário dentro das salas de aula.

“Eu confesso que desconhecia o assunto e quando convidado para ajudar na coordenação do simpósio pelo meu colega deputado Wilson Santos, busquei mais sobre a dislexia e me encantei e me preocupei também. Precisamos, com urgência, olhar com mais carinho aos disléxicos e ajudá-los da melhor maneira possível. Quando me veio a palavra dislexia, imaginei que se tratava de uma doença, e não é e nunca será”, salientou Fávero.

O parlamentar citou nomes de famosos como Albert Einstein, Walt Disney, ambos disléxicos. Silvio citou também o empresário Luciano Hang, proprietário das lojas Havan, que revelou ser disléxico. “Todos acometidos pela dislexia e nem por isso deixaram de ser ‘menos inteligentes’. Pelo contrário, cada um mostrou a que veio e contribuiu e contribui para uma sociedade mais dotada de conhecimentos e oportunidades, através de suas experiências”, disse o deputado, ao destacar que a discussão deve ser mais bem fomentada nos quatro cantos de Mato Grosso e ofereceu parceria para ajudar no que for possível.

O deputado Wilson Santos (PSDB) reforçou a importância da capacitação e formação continuada de professores da rede pública de ensino para fazer o acolhimento. Wilson Santos é autor da lei que institui o atendimento especializado nos concursos públicos e vestibulares realizados em Mato Grosso às pessoas com dislexia. “”A exemplo do autismo, que também patrocinei a discussão, o conhecimento a respeito dos disléxicos é necessário para evitar qualquer discriminação. Uma sociedade mais humana exige conhecimento para pôr fim às discriminações”, afirma.

A secretária de Estado de Educação, Marioneide Kliemaschewsk, afirmou em seu discurso que, durante os 34 anos de serviços prestados à educação, aprendeu que a melhor forma de auxiliar no desenvolvimento de uma criança com algum tipo de deficiência é doando muito amor a ela. “Quando você incentiva, estimula e estabelece um elo afetivo com a criança o conhecimento flui naturalmente”.

Marioneide avalia que, a partir dessa concepção, segundo a secretária, o processo de inclusão da criança deve ser feito em um ambiente especializado, com material pedagógico e formação adequada aos profissionais. “Dessa forma estaremos implantando o fazer pedagógico com amor”. 

Presente ao evento, representando o Ministério público do Estado (MPE-MT), o promotor de Justiça Miguel Slhessarenko Júnior, do Núcleo de Defesa da Cidadania e do Centro de Apoio Operacional de Educação, alega que muito ainda precisa ser feito, para que a pessoa com dislexia consiga ter acesso e permanência às escolas. “É um desafio muito grande para a educação. Porque essas pessoas precisam de material e atendimento adequado para que não ocorra nenhum tipo de discriminação e que elas avancem no desenvolvimento educacional. O MP é parceiro para tudo que envolva o assunto e inclusive apoia inciativas como o simpósio. Tem que se debater e encontrar soluções”, avaliou.

A presidente de honra da Associação Mato-grossense de Dislexia, Gabrielle de  Andrade, agradeceu o apoio da Assembleia Legislativa, por meio dos deputados Silvio Fávero e Wilson Santos e também destacou a importância do evento, ao avaliar como um grande avanço a realização de mais um simpósio organizado no estado. “Muito feliz por mais um simpósio, porque isso mostra a preocupação dos profissionais e de outras pessoas com o assunto. Muita gente veio do interior também. Vejo como uma grande oportunidade de tomar conhecimento. Se ampliam os espaços e as dificuldades diminuem”, considerou Gabrielle.

Participaram da abertura do evento os deputados estaduais Silvio Fávero, Wilson Santos e Paulo Araújo, o promotor de Justiça Miguel Slhessarenko, a secretária de Educação de Mato Grosso, Marioneide Kliemaschewsk, diretores de escolas, professores e representantes.

JOELMA PONTES / Gabinete do deputado Silvio Fávero

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA